terça-feira, 7 de novembro de 2006

Intercâmbio Luso-Brasileiro

Aníbal Cavaco Silva manifestou a sua confiança na economia brasileira, durante um jantar na segunda-feira em São Paulo, com a comunidade empresarial portuguesa no Brasil.

"Tempos mais recentes trouxeram ao Brasil vultuosos investimentos de uma e conomia portuguesa que aprendeu, de novo, o caminho da internacionalização, de um país que deixou de ser exportador de mão de obra e importador de capitais, par a passar a ser importador líquido de mão de obra e exportador de capitais", disse o Presidente.
"Investimentos que, com flutuações mais ou menos acentuadas, num sentido o u no outro, mantêm-se, atestando a confiança de Portugal na economia brasileira", salientou o chefe de Estado português.

Cavaco Silva, que falou durante o jantar anual da Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil, destacou a importância das organizações associativas empresariais para o fortalecimento das relações entre os dois países.

"Portugal e as relações luso-brasileiras precisam de vós, de todos vós: dos que para aqui vieram há muito tempo, dos luso-descendentes e dos que aqui chegaram há menos tempo", disse.

"As câmaras de comércio constituem um instrumento fundamental para a mobilização de todos. Para tanto, é preciso que não esqueçam ninguém, que saibam congregar, federar, reunir", afirmou o presidente.

Cavaco Silva defendeu ainda que as câmaras de comércio devem saber "tirar proveito da experiência de todos" e que não devem hesitar "em renovar-se de forma a atrair novas gerações".

"É essencial apoiar quem chega de novo, ou quem quer empreender, promover o que somos e o que temos para oferecer nos mais variados domínios, estimular parcerias, estar presente na sociedade brasileira", referiu.

Cavaco Silva realçou igualmente os "desafios de grande dimensão" que Portugal tem pela frente, "cuja resposta determinará o país" deixado para as futuras gerações.

O presidente português salientou ainda que o Brasil está "repleto de exemplos da obra que por aqui foram realizando portugueses e seus descendentes, que t anto fizeram - e fazem - pelo engrandecimento das relações entre os dois países".

O jantar foi o primeiro compromisso da visita oficial de dois dias que o presidente português está a realizar a São Paulo.

A programação da deslocação, que decorre na sequência da viagem ao Uruguai, por ocasião da XVI Cimeira Ibero Americana, inclui ainda uma visita ao Museu da Língua Portuguesa e à Bienal de Artes de São Paulo. Cavaco Silva regressa ao fim do dia a Portugal.
Fonte: Agência Lusa

Ora aqui está um exemplo de que Portugal não pode estar unicamente focado na Europa. Um exemplo a seguir e que apenas beneficiará os dois países unidos por laços históricos.




4 comentários:

Teresa Durães disse...

sim, é verdade, não deixa de ter rasão mas é fácil chegar ao Brasil e abrir uma empresa? Porque aqui passa-se uma crise e só se forem os grandes. Esses querem arriscar?

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro Capitão-Mor:
Claro que é positivo este sentimento de ligação ao Brasil. Interrogo-me é que orientação coerente haverá, para além da inclinação afectiva e das palavras de circunstância.
Abraço.

lois disse...

O Prof. é um dos homens deste país, com maior visão estratégica para o desenvolvimento.

Acredito agora, novamente no nosso futuro, ao ver o ímpeto reformista de um PM e de um Pres. que em conjunto parecem cooperar estreitamente !

Maria disse...

Não sendo eu perita em internacionalização de empresas, gostaria de salientar que o Brasil representa um destino de risco para os investimentos. Só empresas muito sólidas é que conseguem fazer negócio no Brasil. No barómetro do investimento, a corrupção, a inflação e a instabilidade social pesam contra esse país.

Não deixa de ser interessante que os negócios que ai melhor funcionam são o dos supermercados, telemóveis, construção civil e hotelaria.

A visita de Cavaco Silva, traduz um re-equilibrar da política externa portuguesa. Um maior interesse pela lusofonia.

Beijinhos