segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

CAMARATE


A queda, ainda não totalmente esclarecida, do Cessna que transportava Sá Carneiro e Amaro da Costa sobre Camarate, um bairro contíguo ao aeroporto de Lisboa, foi um acontecimento brutal.
Tão brutal que, para ser assimilado por uma sociedade recém-entrada na democracia, muito menos descrente nos seus políticos e instituições do que a actual, era preciso uma explicação. A explicação apareceu de imediato - tudo se resumira a um acidente.
Mas nunca se percebeu bem que acidente foi aquele, dadas as muitas falhas reveladas sobre a investigação que foi sendo feita ao longo dos anos. Com o tempo, e sem que nada viesse iluminar os cantos escuros do caso, o trauma foi-se transformando em mal estar. Uma história mal contada, portanto.

O filme "Camarate", de Luís Filipe Rocha, conta essa história com princípio, meio e fim, mas à sua maneira, ou seja, à luz de uma conspiração envolvendo as autoridades - do governo à polícia, do Ministério Público aos tribunais - para matar não Sá Carneiro, mas Adelino Amaro da Costa, evitando assim que o ministro da Defesa fosse por diante com a investigação exaustiva que mandara realizar à forma como foram gastos os milhões do Fundo de Defesa do Ultramar. Esta também é, para muitos portugueses, a chave do mistério.
No papel principal está uma magistrada do Ministério Público, Luísa Ramos (Maria João Luís), que, já no final dos anos 90, tem que decidir se arquiva o processo por falta de provas de que se tratou de um atentado, ou deduzir acusação.

Contra a opinião dos amigos, a magistrada resolve reabrir o processo de Camarate, que estava arquivado - armazenado em caixotes empilhados numa antiga cozinha, que faz parte do tribunal, num retrato bastante vivo das instalações judiciais portuguesas. Luísa Ramos toma a decisão depois de receber a visita de um personagem misterioso, outro juiz, Manuel Mesquita, colocado em Macau e que vem a Lisboa pô-la a par daquilo que, na sua opinião, motivou o atentado.
A conspiração contra o ministro da Defesa, Amaro da Costa, e a investigação que ele mandara fazer ao Fundo de Defesa Militar do Ultramar, na sua dependência, é relatada por este juiz a Luísa Ramos, que enquadra todas estas movimentações num pano de fundo, a Guerra Fria, e, mais concretamente, a guerra Irão-Iraque, o embargo de venda de armas ao Irão e o papel de Portugal como plataforma no fornecimento clandestino de armamento aos dois países em guerra. Depois de ouvir esta versão do juiz de Macau, a magistrada aceita a ajuda do pai, um antigo professor de direito (Filipe Ferrer), para estudar o processo. E é mais uma vez através dos diálogos entre os dois que se percebe o que aconteceu, que ela é informada sobre os relatórios que desapareceram, as pessoas que pareciam ser testemunhas-chave do processo e nunca foram ouvidas, as peritagens que ficaram por fazer, as provas materiais que se julgava estarem a salvo e que nunca mais foram vistas; que não houve investigação, em resumo.

Falta drama a tudo isto, é evidente, e o assunto é árido. Em termos de tensão dramática, o filme é, portanto, pouco complexo, apesar dos ingredientes a que o argumentista (o próprio Luís Filipe Rocha) deitou mão: Luísa Ramos é obrigada a abortar por razões de saúde, há ainda um triângulo amoroso em que ela é o centro, tendo de um lado o namorado actual - um juiz, interpretado por Virgílio Castelo - e, do outro, o namorado antigo, um deputado, interpretado por José Wallenstein. Este namorado está implicado no problema das viagens fantasmas da Assembleia da República e tenta envolvê-la nesse enredo, mais uma originalidade do argumento que, deste modo, chama a atenção para uma realidade muito portuguesa: neste país, nunca nada se esclarece definitivamente, por isso também nunca nada sai da ordem do dia, nem a tragédia da morte de um primeiro-ministro há 26 anos, nem um escândalo político acontecido há 17.
O final de "Camarate" não é apoteótico, apenas muito lógico, acaba com a magistrada a conseguir demonstrar na prática que o Cessna pode voar com o motor da asa esquerda desligado, num convite ao espectador para que tire as suas conclusões. E a verdade é que voa mesmo.
O filme é de ver? Sim, sem dúvida, é inteligente, sério e bem interpretado. Também é um filme emotivo e contido. É de ver na mesma medida em que é de ler "O Crime de Camarate", do advogado Ricardo Sá Fernandes. Um livro, primeiro, e um filme a seguir, ajudarão sem dúvida a fazer o luto que faltou a seguir a 4 de Dezembro de 1980, quando toda a gente preferiu, simplesmente, esquecer a tragédia daquela noite. A ver ou rever obrigatoriamente neste dia.


Título Original: Camarate
País de Origem/Ano de Produção: Portugal (2000)
Realização: Luís Filipe Rocha
Elenco: Maria João Luís
Virgílio Castelo
Filipe Ferrer
José Wallenstein
Adriano Luís
Luís Esparteiro...

13 comentários:

joão ferreira dias disse...

caro amigo gostaria de o convidar para as conversas de café. Envie-me um mail: kontrastes@sapo.pt

Maria disse...

Parece que este é um tema recorrente da sociedade portuguesa, já era altura de ser tratado com seriedade. Os crimes já prescreveram, mas seria bom saber a verdade, toda a verdade e nada mais que a verdade, assim poderiamos fechar esta porta e seguir em frente.

Beijinhos

Teresa Durães disse...

lembro-me do acidente. estava no quinto ano. não percebo como é possível deixarem prescrever. da extrema esquerda à extrema direita nenhum partido interessado...

boa tarde

marta disse...

Lembro-me que na época toda a gente achou que tinha sido um atentado.

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro Capitão-Mor:
O problema que aponto em abstracto a filmes com temáticas destas, como o «JFK», por exemplo, é o perigo de consagrar versões como verdadeiras a partir do celulóide, mesmo quando as autoridades investigatórias e policiais não funcionam. Mas claro que não houve, durante anos, grandes alternativas.
Abraço.

LoiS disse...

A tragédia da justiça portuguesa !

Tuche disse...

ò meu amigo então não ouviste dizer que um "Bruxo" veio ai a público dizer que foi o responsável pela queda do avião em Camarate??
Isto foi noticia nacional ahahaha

Beijos

TONY, Duque do Mucifal disse...

sim, e quem matou JFK?
Agora o Zé Esteves disse que feza bomba.Mas o estranho Capitão é que Francisco Sá Carneiro era pra ir na TAP e nao no CESNA. Logo aumenta a teoria da conspiração. O alvo era Adelino Amaro da Costa.Sem duvida!

Bad Lolita disse...

Oficialmente já foi reconhecido como crime... portanto disso nõ tenho duvidas.
Sei que alguns coegas meus andaram a investigar o caso camarate, e andaram tão perto... que tiveram de desistir da investigação.. um deles, terá mesmo se suicidado por causa disso.
Digamos que camarte é bem mais complicado do que parece.
Conheço a familia do piloto que morreu no acidente... e nenhum deles duvida desde o primeiro segundo que foi crime...

mas que fazer mais? Parece que ninguém que realmente expor a verdade.

Dizem que sim, que foi por causa de Adelino Amaro da Costa... mas, não sei pk... continuo a pensar que Sá Carneiro teria sido o alvo a abater.

adorei o tema

beijo

Maria disse...

Capitão-mor
Descobri este blog hoje, agorinha mesmo, e chamou-me a atenção este post.
Convido-o a visitar o blog abaixo onde, a 4 de dezembro, também houve uma troca de impressões...

http://ecosdafalesia.blogspot.com/

vou continuar a ver o seu blog.
Fique bem

Sininho disse...

Caro Capitão-Mor:
Muito obrigada pela sua visita, que fico a dever à gentileza da Maria.
Este seu post levou-me a rever o filme, que estava arrumado na estante.
Fica-nos, de tudo isto uma certa amargura com a apatia da justiça Portuguesa.
Um abraço

Anónimo disse...

O Luis Esparteiro é um aldrabão. Na SPARA ficou a dever dinheiro a imensos actores, despediu uma funcionária por estar grávida e não declaraou as retenções na fonte que os actores fizeram durante anos. Para além disso parece estar envolvido em coisas bem piores…
que nojo

vanda disse...

Pois é anonimo, o facto é que o Luis Esparteiro não é um cobarde que se esconde atrás de um "anonimo", ainda por cima mentiroso que nem sabe do que fala! È por isso que este país não anda para a frente, as pessoas preocupam-se demais em falar mal!