sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

Restauração da Independência


A morte de D. Sebastião, em Alcácer Quibir, sem deixar descendência e outros motivos de natureza vária concorreram para a perda da Independência de Portugal. Sem um sucessor directo, a coroa passou para Filipe II de Espanha. Este, aquando da tomada de posse, nas cortes de Leiria, em 1580, prometeu zelar pelos interesses do País, respeitando as leis, os usos e os costumes nacionais. Com o passar do tempo, essas promessas foram sendo desrespeitadas, os cidadãos nacionais foram perdendo privilégios e passaram a uma situação de subalternidade em relação a Espanha. Esta situação leva a que se organize um movimento conspirador para a recuperação da independência. A 1 de Dezembro de 1640, um grupo de fidalgos introduz-se no Paço Real, mata Miguel de Vasconcelos, representante da coroa espanhola, e vêm à janela proclamar D. João, Duque de Bragança, rei de Portugal. Termina, assim, 60 anos de domínio espanhol sobre Portugal.

Este sempre foi um dos meus feriados predilectos. O dia em que mostrámos a nuestros hermanos quem realmente manda em solo lusitano, por muito que lhes doa no ego. E urge recordar a nossa História com orgulho, visto que hoje em dia esta data está mais associada ao Dia Mundial do Combate Contra a SIDA...

6 comentários:

Laurindinha disse...

Eu do que gosto sobre tudo é do sebastianismo, com a sua melancolia, neboeiros, saudade e esperança... Algo assim como um Rei Artur português...
Saúdos!

Maria disse...

É provavelmente o meu feriado mais sentido, tenho um louco prazer na defenestração do Miguel de Vasconcelos, mas também na Padeira de Aljubarrota, e no entanto, já recebi tanto dos espanhóis, tanta amizade e carinho que neste momento me sinto ingrata. Ou talvez só possa receber tudo isto porque sou independente, tenho uma língua e cultura próprias.

Beijinhos

marta disse...

Olá Capitão-Mor
Gosto imenso dos espanhois, mas adoro ser portuguesa e não o trocava por nada.
Beijinhos

belinha disse...

Olá Capitão!!Pois eu também gosto deste feriado.Soubeste de uns números de umas sondagens que se fizeram aqui e em Espannha?Já ão sei ao certo mas a maioria de nós não se importava de serespanhol e a maioria deles também queriam deitar a mão aqui ao pedaço portguês!!Eu fiquei chocada!Primeiro porque com todos os defeitos que se encontram no país, eu continuo a gostar de ser portuguesa.Penso que se queremos um país melhor toca a trabalhar para isso, pese embora toda a corrupção, impunidade e confusão reinante que abunda por aí.Segundo porque eu até gosto de Espanha, fui lá várias vezes em lazer e trabalho e sempre vim encantada.Todavia descobrir este instincto predador de nuestros hermanos arrepiou-me!Danados, os tipos!

Pois quanto a nomeações, teve piada, mas não é para levar muito a sério.Eu não pertenço, de facto, a esse grupo de blogues que estão no topo e são referência, não ando por aí a ver se chego lá sequer. Sei que o blogue é original e que suscita muito agrado.Isso deixa-me contente, claro.Não preciso de prémios e distinções e nem vou tê-los. Mas gostei de ser nomeada porque essa nomeação dá expressão a todos esses comentários simpáticos que recebo.Ah, parece-me que a competição de que falas já existe a esse nível de blogues que fazem história na blogsofera portuguesa...

Paulo Cunha Porto disse...

E graças à Restauração foi possível inscrever grandes páginas de glória na recuperação desse Brasil, com Pernambuco á cabeça, por Salvador Correia de Sá e outros.
Abraço.

Gil disse...

A partir dai, os espanhóis mudaram de tática. Começaram a invadir/ocupar Portugal aos poucos e poucos. Basta comparar a quantidade de empresas espanholas em Portugal, e as portuguesas em Espanha :)