segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Amigos



Nunca tive grandes expectativas em relação à sobrevivência das amizades por motivos de distância. Porém, mais de dois anos de residência no exterior, superaram as minhas piores previsões. Fui assistindo ao afastamento progressivo de várias pessoas que tinha como amigos. Quando confrontados com a situação, desculpam-se sempre com a eterna falta de tempo. Eu compreendo que cada qual tem de lidar diariamente com inúmeros problemas profissionais e pessoais, mas custa-me a acreditar que não lhes sobre uns cinco minutos para escrever um simples e-mail ou dar um telefonema. Então, nada me impede de classificar antigos amigos como meros conhecidos e dar maior importância a outras pessoas, algumas das quais nem conheço pessoalmente. Neste campo, a blogosfera tem-se revelado até agora, uma agradável surpresa. Actualmente, não tenho qualquer tipo de pudor em admitir que grande parte dos meus amigos se encontram no campo virtual.
Os últimos dias deram um novo ênfase a esta teoria. Sendo assim, gostaria de expressar o meu agradecimento a todos aqueles que expressaram o seu apoio nestas horas conturbadas.
Devo acrescentar que o Capitão-Mor está recuperado e ficou mais fortalecido. Para isso, tratei de me libertar de algumas âncoras do passado e, de agora em diante, desejo apenas estar rodeado daqueles que são meus amigos de verdade e, tudo farei para lhes retribuir o que me deram. Amigo de infância deixou de ser estatuto, amigos de farra pouco me importam e resta um pequeno núcleo que guardarei como o mais precioso tesouro. Tudo o resto foram pessoas que foram importantes em determinados momentos da minha vida e ponto final. Os amigos servem para partilhar experiências, confidências, risos, alegrias e tristezas. Para ilustrar este texto, pretendo partilhar convosco um momento musical. Uma das minhas últimas recordações de Portugal. Plainsong, interpretado pelos Cure no Festival Vilar de Mouros, em Julho de 2004. Cerca de dois meses mais tarde, embarcaria para o Brasil...
Um Abraço!

26 comentários:

Breaking disse...

Bem vindo :))

Foi bom ter notícias desse lado!

Bjs

Teresa disse...

seu bandidola! vim logo cá! que bom vê-lo por aqui novamente!
(agora vou ler o post).................................................

Teresa disse...

bem, já li o post :)

é bem verdade o que diz, isto de considerar amigos alumas pessoas tem que se lhe diga...e todos, com certeza, já vivemos a desilusão provocada por alguém que consideravamos nosso amigo.

agarre-se aos que lhe dão valor e não cobram por isso :)

um beijo enorme de boas vindas!

Ana disse...

Bem vindo!!

Ultimamente, tenho-me sentido um pouco como tu.
É nas pessoas que mais "distantes" estão de mim, que tenho encontrado algo mais parecido com Amizade.

E afinal, o que é a Amizade? Não é partilha, carinho, entreajuda, companheirismo? Importa a forma que ela assume?

Nem sempre precisamos ter a presença física de alguém, para sentir o quanto ela gosta de nós.

Bjinhos

Tuxa disse...

Bem regressado!!!!

Beetle Bug disse...

Hell_come back my dear :))
Tens toda a razão quanto às amizades... mas falemos de coisas bem melhores. Continua a brindar-nos com o melhor que há em ti. Beijinho grande ***

blackstar disse...

Wellcome back! ;)

O Réprobo disse...

Meu Caro Capitão-Mor,
quem não sentiu já essas desilusões e proximidades inesperadas?
Fico cotentíssimo de ver que o meu voto pelo Seu regressso blogosférico tenha tido correspondência real.
Creia-me sempre a Seu lado.
Abraço

Rubina disse...

Fizeste o meu dia Capitao. Welcome back. Um abraco

LoiS disse...

O ser humano junta-se por interesse!

As relacções ocontecem para partilhar.

Raramente lidamos com alguém que não nos dê algo em troca.

Quando a partilha acaba, é normal deligarmos a corrente.

Posto isto, bem vindo Brazuca!

TONY, Duque do Mucifal disse...

a vida é feita de ciclos. por muito que nos custe, há portas que se fecham e outras que se abrem. eu sei o que é vida de emigrante, apesar de ter sido com outra idade. eu concordo com o comentario do Lois. A vida é pautada de interesses. Sinto que a unica ligaçao que estabelcemos na nossa vida sem esse estigma vem do nosso pai e da nossa mae.
Mas se tu tas longe e levas com a desculpa de falta de tempo, há quem esteja mais perto e suporte o mesmo tipo de desculpa.
A mais facil e mais imabtivel
um abraço

marta disse...

Fico tão contente!

Mas ando burra de todo, só agora que fui ao blog da Teresa e vi o mesmo comentário é que se fez luz no meu espírito.!!

Chiça, é a terceira infância, meu querido, já está quase à porta.
AH! mas só eu posso dizer isto, ninguém me venha falar de velhice que atiro tudo pelos os ares.

Podes crer, a Net tem tido destas coisas boas, e amigos então os de infância....ainda ontem à noite tive mais uma desilusão.

Estou tão contente que nem me apetece sair daqui e nunca mais paro de escrever.

capitão querido, bem vindo a este seu espaço

Um beijinho grande, grande

MariaTuché disse...

Eu assino por baixo mais que uma vez, passei pela mesma situação, senti da mesma forma que descreves, exactamente!!!

Estou tão feliz com o teu regresso :))

Mil beijosssssssssssssssssssss

Maríita disse...

Vemo-nos no dia 8 de Março...

Beijos

MariaTuché disse...

Tenho que te pedir se me permites fazer um copy deste post para colar lá no Me.

Espero resposta :)

Ka disse...

olá,

Vim cá parar via Mariatuché do Me.

concordo a 100% com o qe é dito e digo mais. Não é necessária a distância física para isso acontecer. A distância física só acelera o processo.
Quanto à blogosfera para mim começou por ser um local de desabafo meu. No entanto faz parte do meu dia-a-dia acompanhando a minha vida real. Se tenho uma alegria gosto de a partilhar com os amigos que aqui fiz, se tenho uma trizteza eles são so primeiros a reparar e a dar apoio.

Benvindo e tenciono visitar-te mais vezes, posso?

Ka disse...

voltei para cuscar o blog com mais calma...hehe

Gostei do que estive a ler. E já agora adorei recordar este tema dos Cure que me levou há 20 anos atrás, fantástico!!

Beijinho

belinha disse...

Olha, olha,ele voltou!Ainda ontem me lembrei de ti, a sério!Estive para vir aqui espreitar e tudo!É que estive um tempo fora, no Algarve, sem Internet, e quando voltei estive a fazer a ronda!Benvindo sejas, olha que fazias falta.Isto aqui é como na vida real: a gente cria um grupinho de (des)conhecidos e depois esses bastam-nos mas quando faltam a gente fica triste!Quanto a amizades passadas que acabaram, que se diluiram sem a gente perceber bem o porquê da coisa...nem quero pensar nisso! E quantas histórias de amizade que deram para o torto e me levaram a questionar o que vem afinal a ser isso da tão celebrada amizade.Nos piores momentos a solidariedade chegou-me dos estranhos e isso é que foi supreendente!Não quero dizer que um amigo leal e verdadeiro, constante, presente, sempre, mesmo na distância, não possa existir.Mas são raros aqueles que conseguem sê-lo.Restam-me muito poucos, actualmente.E já nem sequer me esforço para fazer mais, já é tarde...Fico muito satisfeita com o teu regresso embora eu não prometa ficar por aqui muito mais tempo.Em virtude de problemas $$$$ é possível que tenha de cortar o acesso privilegiado à net...e depois vai ser mesmo só quando der!

Cristina disse...

Bem-vindo! De vez em quando passava por aqui e deparava-me sempre com o mesmo triste post de despedida. Fico realmente muito contente pelo regresso do nosso Capitão-Mor.

Julgo que, num ou outro momento, todos nos sentimos assim. Pessoas que julgamos conhecer e julgamos ter a sua amizade garantida, às vezes, são os que mais nos magoam. E outros, perfeitos desconhecidos, brindam-nos com momento únicos.

Um enormeeeee beijo!

MariaTuché disse...

Já está :)

Beij osssss

Gi disse...

Capitãoooooooooooooooooooo

Que bom ver-te por aqui outravez
:-). Tenho que te colocar outravez nos links, ainda bem que te passou a mosca .

beijinhos, toca a navegar !

Xantipa disse...

Eu uso um termo muito amado pelos políticos: àquele núcleo que guardas como um tesouro eu chamo «núcleo duro». Estão sempre lá e cheios de força para me amparar quando vou a cair.
Força.
Um abraço

foryou disse...

:) É por isso mesmo que nunca se deve dizer adeus.
Bem vindo!!! É bom saber que tudo agora está bem :)

freemind disse...

Welcome back.
E a vida é mesmo assim, dá as suas voltas e reviravoltas. Os verdadeiros ficam sempre... acontecerem coisas dessas as vezes vale a pena para se fazer a triagem. Os verdadeiros amigos ficam, mesmo que se fale menos, passem semanas ou meses, os amigos são aqueles que quando falamos parece que isso não acontecia desde ontem apenas; não se desculpam pela falta de tempo e compreendemos... basdta um telefonem, um e-mail, um saber que estão vivos... e quando a vida permite metem-se as cusquices todas em dia novamente.Esses são os de oiro, aqueles que já vêm de anos e se manterão por muitos mais, porque não se afastam por distâncias nem por diferenças de vida, continuam a ser os mesmos!

Tati disse...

repito o comment que fiz acima! welcome back! fez falta......

AnadoCastelo disse...

Fiquei tão contente quando puseste o teu breve comentário no meu blogue. Estava mesmo de partida aí para essas bandas. Fiquei muito feliz pois verifiquei que já estavas outra vez de regresso às nossas lides e se reparaste não cheguei a tirar o teu link do meu blogue. De vez em quando cá vinha espreitar, mas ainda não era tempo de te ler, mas como fiquei fora uma semana e na outra a seguir não estive lá grande coisa, agora para castigo meu vou ler os teus postes com o amior prazer.
Bjs