segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Terrorismo musical


O Proibidão é um estilo de funk surgido durante a década de 1990 nas favelas do Rio de Janeiro.
Comercializado de forma clandestina os funks proibidões tratam, da realidade das comunidades onde ocorrem o tráfico. É considerado um subgénero que fala da violência, tráfico de drogas, sendo pouco divulgado fora das favelas.
Gravados por artistas do chamado funk consciente, esse estilo destaca os feitos dos traficantes contra a polícia e defende a eliminação dos mesmos. São expoentes desse estilo MC Galo, MC Mascote, MC Catra, Cidinho e Doca e Duda do Borel, entre outros. Muitos dos artistas que gravam proibidão também gravam músicas lançadas comercialmente. Entre os que fazem isso estão MC Colibri, Menor da Chapa e Frank.

Nesta categoria de funk proibidão estão também composições que exaltam as façanhas de determinadas facções do crime, como Comando Vermelho, Terceiro Comando e ADA (Amigos dos Amigos), todos do Rio de Janeiro e ainda o PCC (Primeiro Comando da Capital), da cidade de São Paulo. Vale lembrar que algumas destas composições são cantadas basicamente por pessoas ligadas ao tráfico e não pela comunidade. Os rappers do funk proibidão geralmente usam toucas ninjas com as quais escondem o rosto e nunca assinam as composições, mesmo que toda a comunidade saiba até quem as compôs.
Isto porque, com a alternância do poder nas comunidades, quem quer que seja que tenha apoiado a facção criminosa que perdeu o poder está fadado à morte. Por isso, dizer que a comunidade canta determinadas composições não é de todo verdade.
Um lamentável apelo à violência travestido de música...

7 comentários:

ImóveisRN disse...

Já assinei o RSS.
Muito bom, gostei do blog! Parabéns

O Réprobo disse...

Mas certamente haverá algum Sartre de trazer por casa para deles fazer Genets em versão tropical...
Ab.

marta disse...

só os brasileiros para dar nomes como esse "Proibidão" a estilos de música.

Bel disse...

Lamentável! E muita coisa sobre este país a gente só mesmo lamenta... E haja lamentos!!!!

Cheiros,

blackstar disse...

É lamentável que se utilize a música para fomentar o que já temos de sobra no mundo: a violência!

Belzebu disse...

Como se certas comunidades tivessem necessidade da mùsica, para suscitar a violência!

Aquele abraço infernal!

AnadoCastelo disse...

Aprender até morrer. Ia lá pensar que havia esse tipo de música. Credo.
É lá coisa que seja necessária num país já tão sofrido?
Bjs