terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Regresso ao ISCSP


Por vezes, sinto que a minha permanência no Brasil me está a deixar baralhado em termos de referências e linguagem. Nesta madrugada, o meu subconsciente fez-me ter um sonho muito estranho. Fiz uma viagem ao passado, em que recuei aos tempos de estudante universitário no ISCSP. Lá estava o belo palácio Burnay, onde este instituto se localizava. Logo na entrada, vejo alguns colegas da época misturados com pessoas que conheço daqui. Depois subo as escadarias e noto que o jardim está profundamente alterado. Esgueiro-me para um dos terraços do palácio e deparo-me com uma paisagem invulgar. Não era a velha Rua da Junqueira que eu avistava, mas sim, a praia de Ponta Negra aqui em Natal.
Lembro-me que mesmo no sonho, eu tinha consciência que havia algo de errado. Recordo-me também que andava à procura da Rubina que tinha ficado de me emprestar uns livros, mas tardava em aparecer. A revelação mais bizarras, foi verificar que todas as pessoas se dirigiam a mim, expressando-se em português com sotaque brasileiro, inclusive os meus mestres António Marques Bessa e Jaime Nogueira Pinto.
Pouco depois, entro na cantina e cruzo-me com a Josinete, antiga empregada da minha casa, e entro em pânico. Desato a correr na direcção da rua, tropeço em qualquer coisa e acordo alagado em suor...

10 comentários:

O Réprobo disse...

Há uma lenda do Tonkim que diz que podemos, literalmente, deixarmo-nos um pouco por cada local por onde passamos e que essa camada de nós tem o poder de modificar o que o cerca. Terá este Princípio da Incerteza transposto da física para a Personalidade estado na base do onirismo do Caro Capitão-Mor?
Ab.

Evelyne Furtado disse...

Da tese do Réprobo não posso falar nada, pois desconheço, embora pareça ser interessante.
Mas adoro decifrar sonhos, Capitão. Os meus, óbvio.
Arrisco dizer que o seu é riquissimo em simbolismos.Já tentou interpretar?
Abraço.

JuliaML disse...

interessante,isso. Vejo nas lnhas e entrelinhas que o Capitão já interpretou perfeitamente o seu sonho, entendeu-o!

Digo-lhe que é a 1ª vez que leio/ouço até ao final alguém contar um sonho e gostei,pois está bem descrito.

beijinho

MariaTuché disse...

E que sonho bom, é sempre voltar atrás no tempo e recordar bons momentos...

Um beijo amigo :)

E a casa já está vendida??

Se quiser coloco aqui no site da empresa, diz qualquer coisa tá :)

Rubina disse...

Recalcamentos caro capitao. Uma mistura de saudades do palacio com a inclusao das novas aquisicoes do pais adoptado agora. Olha que ver o Marques Bessa e o Jaime Nogueira Pinto a falar com um sotaque brasileiro e de morrer a rir...lol...Talvez tenha entrado no sonho porque nunca chegamos a falar, e a ser apresentados, quando passamos pelo ISCSP. Beijocas iscspianas :)

Teresa Durães disse...

as saudades já estão a morar à porta de casa?

imagino sempre que ir viver para longe do nosso país um odor, uma paisagem que o relembre faz esse tipo de jogos com a nossa mente.

Ana disse...

Eu moro nessa rua!!!

Cláudia Pinto disse...

Seja como for, é sempre bom recordar os tempos do Palácio Burnay. Realmente, o ISCSP era muito mais ISCSP naquele palácio e não situado no actual edifício frio da Ajuda. Também eu vivi bons momentos no Palácio Burnay e me senti nostálgica com este teu post e com a foto daquele local que me abria as portas diariamente... para aulas mais ou menos interessantes. Pormenores à parte, obrigada por me fazeres lembrar aquela que foi a minha segunda casa durante quatro anos!

Saudações iscspianas!

AnadoCastelo disse...

Não sei interpretar sonhos, mas pelo que descreves é isso mesmo: saudades.
Bjs

TONY, Duque do Mucifal disse...

as vezes tb revejo lugares significa que as nossas raizes ainda pairam por lá.
sao as tuas ancoras, mesmo tendo um Oceano ATlantico a separar os 2 continentes continuas presente na Europa.