segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

RN lidera investimentos estrangeiros


Não há uma fonte única a ser consultada quando o assunto é investimento estrangeiro nos sectores turístico e imobiliário do Rio Grande do Norte. Mas há pistas que dão uma idéia de quanto o dinheiro “importado” representa na economia do estado. Segundo informações da Secretaria Estadual de Turismo (Setur), cerca de 300 empreendimentos turísticos podem começar a ser construídos até o fim de 2008; além disso, somente os espanhóis vão aplicar R$ 3,2 bilhões nos próximos anos. No entanto, a recente prisão de integrantes da máfia norueguesa levantou suspeitas sobre os investidores do exterior. Contudo, quem conhece o mercado afirma: a ilegalidade é uma pequena excepção, reflexo da imensa visibilidade que Natal está ganhando lá fora.

Um levantamento feito pelo economista potiguar José Aldemir Freire, com base nos Boletins Estatísticos dos Mercados Supervisionados do Banco Central, mostra que, entre 2004 e 2005, US$ 54,7 milhões entraram no RN. A maior parte deste valor (65%) era de origem espanhola. Itália, Estados Unidos, Noruega e Portugal vinha em seguida, nesta ordem, no ranking dos países que mais enviavam dinheiro para o estado. Ao que parece, a Espanha deverá permanecer no topo da lista. Os R$ 3,2 bilhões que os espanhóis vão investir nos próximos anos representam 56% dos recursos dos investimentos em turismo, urbanismo e setor imobiliário da Agenda de Crescimento, pacote de ações do Governo do Estado para desenvolver o RN até 2010.

Outra informação que mostra o crescente interesse de estrangeiros pelo estado vem do Ministério do Trabalho. De acordo com o órgão, o RN lidera os investimentos diretos (declarados quando é concedido visto permanente) do país entre 2004 e 2006, com US$ 46,6 milhões acumulados - se considerarmos a cotação do dólar em 29 de dezembro de 2006, esse volume isolado equivale a R$ 99,2 milhões, ou 5,1% da arrecadação de ICMS do ano passado. Em 2005, o montante trazido pelos estrangeiros ao RN foi o primeiro lugar do país. No ano passado, o estado caiu para a terceira posição, mas ainda à frente de nomes como Rio de Janeiro e Bahia .
O interesse de estrangeiros começou a surgir em 1996, época em que pequenos e amadores “desbravadores” do exterior começaram a descobrir o potencial turístico de Natal. Hoje, os grandes investidores são atendidos por uma equipas multidisciplinares, composta por engenheiros, arquitectos, advogados e corretores, que interagem com entidades privadas e órgãos públicos para dar o melhor encaminhamento ao capital internacional.

5 comentários:

Zé Povinho disse...

Quando se criam estruturas para enquadrar o investimento, potencia-se o mesmo criando riqueza e postos de trabalho. É pena que por vezes o investimento seja mal planeado e que se estrague a paisagem fazendo com que os locais deixem de ser atractivos. Infelizmente por cá há muito disso.
O planeamento é a alma do negócio, ainda que por vezes demore algum tempo a conseguir implementar as regras do jogo.
Abraço do Zé

foryou disse...

Concordo com o Zé: um bom planeamento é a alma do negócio.



Bem... esse teu espaço de fumadores... alto lá.... lol


beijoooooooooooo

AnadoCastelo disse...

Acho que já desabafei no comentário anterior e tu disseste tudo neste post.
Bjs

O Réprobo disse...

Resumindo e concluindo:
o Caríssimo Capitão-Mor teve olho sobre onde Se investir!
Abraço

marta disse...

Um dos meus irmãos foi hoje para Belém do Brasil, por meses em trabalho.

Sabes de alguém, que lhe dê uma "mãozinha"?

Vai lá ver a publicidade à Honda.