sexta-feira, 10 de novembro de 2006

Ritual do boteco


Uma das coisas que mais me irritava em Portugal, era o ritmo desenfreado da população da Grande Lisboa. É impressionante o número de pessoas sisudas que saem dos seus locais de trabalho à pressa, para logo de seguida irem enfrentar um trânsito caótico rumo à periferia ou se acotovelarem nos transportes públicos.
Por aqui, o quotidiano tem um ritmo mais doce e pausado. A cidade cresce a um ritmo rápido, o tráfego vai aumentando mas a passagem pelo barzinho depois do expediente é ritual obrigatório. Excelente oportunidade para saborear uma cerveja gelada, conversar com os amigos e observar o mulherio que desfila nas redondezas. Natal é abençoada com uma temperatura anual na ordem dos 30° que facilita o convívio fora de portas, comportamento incompatível com o inverno europeu. De qualquer modo, este será um exemplo a seguir e que torna o final do dia num momento de relaxamento e diversão.
A cerveja é servida na modalidade de chopp ou garrafa de 600ml (!), e normalmente acompanhada por diversos tipos de petiscos, sendo os churrasquinhos na brasa os mais apreciados na região Nordeste.
No meu caso, só me tornei verdadeiramente apreciador de cerveja aqui no Brasil. O clima quente é convidativo e as marcas locais são suaves e com menor graduação alcoólica se comparadas com as cervejas portuguesas.
Alguém se quer juntar a mim na happy-hour?

8 comentários:

eriberto lima disse...

Oi amigo!
Como vai o gringo mais bonito,charmoso e desejado de Natal?
Ador seu jeito de escapar com charme das doidinhas que ficam enchendo seu saco.
Espero que a nossa amizade e boas conversas em mesa de bar continuem por muitos anos.
Um abraço

Paulo Sempre disse...

Hó mar salgado....quanto do teu sal são lágrimas de Portugal....
Portugal - Lisboa -, aqui onde tudo está melancolico..há sempre um fado e uma viela que nos deixa a saudade de voltar, né?
Abraço
Paulo

Miguel disse...

Capitão,

Tens razão ...!
Nós não aproveitamos o "lado B" da vida! Sempre em correria e não paramos para descontrair!

Um excelente sugestão!
Sai um chopp ...! Não, 2 chopps!

Um BOM FDS!
Um abraço da Matilde e Cª!

Maria disse...

Da incapacidade dos portugueses de relaxarem depois do trabalho ando-me eu a queixar desde que regressei de Espanha! E não é uma questão de clima que em Valladolid nevava e nunca vi ninguém deixar de se dirigir ao barzinho de tapas mais próximo por causa disso... Em Portugal, o pessoal sai do trabalho para ir a correr para casa, de caminho apanham as crianças (se elas existem) ou vão ao supermercado, mas quase ninguém vai até ao bar mais próximo para uma cerveja...

Para mim era um chopp e boa companhia sff!

Beijocas

Isabel disse...

Acho que não só os nordestinos, Capitão, mas os brasileiros em geral são de cair na farra, especialmente nos finais de semana, que começa sempre sexta à noite.

Tim! Tim! Com o calor que faz esta cidade, eu aceito!
Nossa, você está bem pertinho, um passeio até aí não duraria mais que 2 horas e meia.
Puxando a sardinha pro nosso lado, eu diria que o litoral nordestino é mui belíssimo. Claro, que há praias no sul muito bonitas, também. [hehehe]

Cheiros, vizinho!

Paulo Cunha Porto disse...

Daqui, de aqúem-Atlântico, com todo o prazer. Quanto ao horror das migrações diárias, Meu Caro Capitão-Mor, só trocando-lhes as voltas com horários dribladores, que é o que faço.
Abraço.

Gil disse...

Ena pá, sim senhor, fazes muito bem em aproveitar os hábitos bons, que por ai estão cultivados. Acho que em vários paises, é normal ir-se a um bar depois do trabalho.Inglaterra,Espanha, pelos vistos Brasil...por aqui n há muito essa tradição,mas acho q já se começa a ver essa tendência a pegar(mas muito devagarinho).Talvez daqui a uns anos, a coisa engate de vez!!Abraço

Ana disse...

Epá, eu quero!

Quem me dera sair do trabalho e ainda ter essa disposição toda! E com esse calorzinho! E se desse para dar um mergulhoe, então...

Espera, espera..que eu estou a ir!