terça-feira, 27 de março de 2007

Memórias do Lumiar


Janela da casa da minha avó, no Paço do Lumiar. Edifício do século XIX.

Pormenor da fachada de um dos vários palacetes do Paço do Lumiar. Este era pertencente à família dos banqueiros Espírito Santo.

Painel de azulejos (sec.XIII) na Quinta dos Azulejos, localizada nos terrenos pertencentes ao Colégio Manuel Bernardes no Paço do Lumiar.

Largo da Igreja do Lumiar (sec.XIII), com a fachada do Museu do Traje como pano de fundo.

Rua Direita do Paço do Lumiar. Um bom exemplo de alguns restauros que têm sido feitos em imóveis do bairro.

Capela de S.Sebastião (sec.XVII), no Paço do Lumiar. Necessita de urgentes obras de restauro.

O belo Parque Monteiro Mor, anexo ao Museu do Traje. Um óptimo lugar para relaxar um pouco, namorar ou lêr um bom livro.

Uma das poucas colectividades de bairro que resistiram à modernidade.

Azinhaga do Jogo da Bola - Paço do Lumiar

Este é um dos meus bairros preferidos de Lisboa. Aqui reside a minha avó e grande parte da minha família materna. Outrora foi local de residência da nobreza, facto comprovável pela existência de vários palacetes e aqui se localizava a zona rural da cidade, onde se cultivavam vários produtos que abasteciam os mercados da capital. Os anos foram passando, as urbanizações cresceram, o campo foi dando lugar ao betão, mas algumas áreas ainda conservam aquela magia de uma Lisboa de outros tempos. Aqui morei os primeiros dois anos da minha existência. Uns anos mais tarde, incentivado pelo meu avô, fui aprendendo a dar os meus primeiros pontapés numa bola e surge a minha paixão pelo Sporting, com as primeiras idas ao Estádio de Alvalade que fica logo ali ao lado. Doces memórias...

16 comentários:

Mel disse...

Capitão, o que conheço de Portugal vem pela internet e acho tudo muito lindo! Lindos lugares, lindas fotos! Portas e janelas poetizam as fotos!
Lindo post, adorei tudo!

Maríita disse...

É engraçado como Lisboa é uma cidade tão bonita e como tem sido tão maltratada ao longo dos tempos. Parece que são poucos os que têm amor à cidade, ou se calhar, são muitos os que não têm o dinheiro suficiente para fazer Lisboa resplandecer como ela merece.

Mas hoje, o meu coração encheu-se de alegria quando um alto dignatário de um outro país disse que Lisboa era uma cidade maravilhosa, com lindos bairros pitorescos que beneficiava de um rio gigante. Há dias em que tenho um orgulho enorme em ser alfacinha :o)!

Beijinhos

sem-comentarios disse...

O lumiar é bonito sim, embora eu conheça mal.
Quando era jogadora de volley, fazia estágios no Colégio São João de brito, lá no lumiar :=)

Isso tudo são saudades da terrinha ?:)***

Tati disse...

que lindo!!!! minha família é de uma aldeia em Portugal, imagino que ainda bastante rural! Tenho muita vontade de visitar, e sentir os cheiros das raízes....
beijo

Beetle Bug disse...

Sorte a tua que um dia tiveste o privilégio de pisar um edifício desses. Eu já nasci num apartamento, hoje vivo noutro, encerrada numa verdadeira selva de pedra :)

Gi disse...

Trabalhei lá durante 3 anos no início dos anos 90 e já acho que faz uma diferença abismal.
Não esquecer também que era o local preferido, no séc. XIX , para os cavalheiros lavarem a sua honra com os sangrentos duelos que mesmo proibidos, ali se realizavam.


beijinhos capitão (hoje não é dia de seriado???? )

com_argumentos disse...

-Hummm....sabes, eu adoro fazer isso q acabaste de fazer... :)
ir aos locais onde em tempos estive, ver o q mudou (mts das vezes com tristeza pelo q destruiram, ou q desapareceu) perceber o q mudou e o pq, fazer perguntas as pessoas q ainda restam desses tempos....a outras q sao recentes, ser eu a contar alguns aspectos q ali se passaram...

Para q nunca nada tenha sido em vão...

Bjs para ti.. ;)***

marta disse...

Tu és mais novo do que eu, mas por acaso lembras-te do Padre Mário, pároco da igreja do Paço do Lumiar?
A Senhora D. Maria do Espirito Santo de Melo era amiga da minha avó. Fui muitas vezes a essa casa.

Breaking the Waves disse...

Capitão, sabes onde vivia antes de rumar à Madeira? No Lumiar, não no paço, mais pertinho do sporting :))

Obrigada pela mensagem...

Capitão-Mor disse...

Marta:
A minha mãe ainda fala bastante sobre o Padre Mário e se não estou em erro, foi ele que me baptizou.
A minha avó era quase vizinha do lado da D. Maria Espírito Santo Melo! :) A filha dela (Madalena) ainda mora por lá, numa casa bastante bonita do lado da Capela de S.Sebastião.

LoiS disse...

Capitão, eu sou um tipo mais da nova vaga, passei por Telheiras ;)

Abraços

AnadoCastelo disse...

Meu querido, diz lá que a nossa cidade não é linda? Apesar de conhecer mal aquela zona trabalhei perto de 11 anos lá próximo na Quinta do Lambert, conheces? Ia muita vez almoçar perto desses sítios que apontas aqui. Mas fiquei com curiosidade de visitar o Parque que mencionas. E a Feira da Luz? Também não falta.
Bjs

Anónimo disse...

O Paço do Lumiar...! Fiz a Escola Primária na Quinta Nossa Senhora da Paz, hoje em total abandono.. É com tristeza que olho para o Paço de hoje, envelhecido, já quase sem vida.. Deserto aos fins de semana.. Foi naquele largo e naquelas ruas que corri, brinquei, cresci..!!

Anónimo disse...

Boa noite
Tou a fazer um trabalho sobre azulejos rococó, e escolhi um painel na quinta dos azulejos (paço do lumiar). Precisava de mais fotos de azulejos iguais a estes ou seja que sejam do sec. XVIII. Alguem me pode ajudar.
Antes demais, chamo-me Maria João aluna trabalhadora estudante do 3º ano de História da Arte.
Aguardo uma resposta o mais urgente possível.
Bj

Anónimo disse...

esqueçi de dizer q meu e-mail:jani_350@hotmail.com

Sou a maria joao que pedi ajuda sobre iamgens de azulejos

Anónimo disse...

Foi com muito orgulho que vi as fotos do Paço do Lumiar, local onde nasci, cresci, brinquei e agora é a adoração da minha filha. Tenho casa no Largo do Paço, e tal como o "Anonimo" é tudo verdade mas tenho a dizer que a Quinta da Nossa Sra da Paz, a n/ escola vai voltar a brir (talvez p o prox ano) como jardim publico! E o Paço do Lumiar tem uma magia, que o se gosta ou não, eu AMO aquele sitio, meio esquecido, em Lisboa. Obrigada por mostrar a minha "aldeia" :)
Sandra Gonçalves