segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Second Life


O Second Life é um simulador da vida real ou também um MMOSG, num mundo virtual totalmente 3D, onde os limites de interacção com o jogo vão além da sua criatividade. Nele, além de interagir com jogadores de todo o mundo em tempo real, é possível também criar os seus próprios objectos, negócios e até mesmo personalizar completamente seu avatar, tudo em modelagem 3D.
O fundamento do jogo está em incentivar cada jogador a encontrar um meio de sobrevivência, aprendendo e desenvolvendo actividades lucrativas, as quais irão reflectir diretamente no poder aquisitivo dentro do jogo. O Second Life possui a sua própria moeda, o Linden dollar (L$), que pode ser convertida em dólares verdadeiros, respeitando a sua cotação no dia corrente. Há inúmeras maneiras de se obter uma fonte de renda: pode-se criar objectos, construir imóveis, desenvolver acessórios para os avatares e muito mais. O ponto forte do jogo está em possibilitar que cada jogador desenvolva actividades com as quais tenha mais afinidade, sendo assim, o sucesso virá da criatividade e perspicácia de cada um.

Second Life é como viver uma outravida,virtual,permitindo que tracemos uma vida paralela à vida real, concretizando e realizando os nossos planos até então impossíveis de serem atingidos no nosso mundo. O cenário do jogo é em terceira dimensão e completamente interactivo, onde qualquer objecto encontrado na sua jornada viabilizará a sua interacção conforme sua respectiva função.
Os cenários são baseados numa típica ilha tropical, cercada por centenas de ilhotas. Mas não se preocupem com distâncias: neste mundo podemos voar! Durante o jogo, há dois mapas disponíveis para nos auxiliar na localização: um mini mapa que representa a região onde nós estamos e o próprio mapa, onde visualizamos o mundo por completo.

Digamos que sempre fui um céptico em relação aos jogos de computador e todo o vício que eles acarretam consigo. Actualmente, o Second Life tem milhares de seguidores em todo o mundo. Eu já experimentei, mas devo adiantar que não me entusiasmei muito e nem consigo entender o alto grau de dependência que algumas pessoas parecem evidenciar em relação a este jogo. Logo à partida, existe toda uma componente consumista condenável e considero que o grafismo se torna monótono. De qualquer forma, este fenómeno é mais um sinal dos tempos em que a insatisfação das massas de reflecte num elevado grau de sucesso em tudo o que está relacionado com virtualidade e a possibilidade de criar uma "vida paralela". Alguém já experimentou? Gostava de saber as vossas opiniões sobre este fenómeno mundial.

10 comentários:

marta disse...

Meu querido

apesar do meu romantismo (tens alguma coisa contra ele?):), tenho lido blogs que andam metidos no second life.
Já há gente a fazer muito dinheiro virtual, que se pode trocar por dinheiro real.
Daí o vício, penso. Tentei e desisti, porque teria de optar entre os blogs ou o second life, e penso que me viciaria muito mais do que já estou.
Ia arranjar uma quantidade de conflitos familiares, que não me apetece ter.

Mas é bom que tenhas conhecimento que tanto marcas de perfumes bons, como marcas de carros de topo de gama, já estão a fazer lançamentos dos seus modelos ou perfumes, no second life, antes de os fazerem no mundo real.

MRP disse...

É um fenómeno que, confesso, ainda não consegui perceber muito bem o seu real significado. Também experimentei e não achei muita graça. Mas uma coisa é certa: é muito mais do que um jogo.

De qualquer forma as últimas noticias que li davam conta do facto de muitas das marcas e instituições que entraram no Second Life (como a marta refere) estarem agora a começar a sair. Na origem desta debandada estaria a exagerada dimensão que o fenómeno do sexo e associados teria alcançado dentro deste universo virtual. As marcas não querem estar associadas a esta ideia além de que esta questão estaria também na origem numa diminuição significativa do número de utilizadores.

Acho que o Second Life é uma primeira experiência no campo dos universos virtuais que provavelmente dará origem a outros modelos futuros que tentem compensar alguns dos seus erros. Agora se isto é um sinal de como as relações entre as pessoas vão evoluir…. isso é uma boa questão.

Cristina disse...

Olá Capitão. Confesso: tenho lá a minha bonequinha... uma moçoila muito desempoeirada e muito catita. Mas (e há sempre um "mas"), também não me entusiasmei muito com aquela brincadeira. Tenho, acima de tudo, falta de paciência para ambientes virtuais.

Teresa disse...

confesso que desconheço em absoluto esses mundos, nem nunca tinha ouvido falar em tal.

capitão, sabe que estou quase, quase a ir para amesterdão? é já 4ª feira :). obrigada por me desejar uma boa semana, vou tentar aproveitar bem!

foryou disse...

Por acaso já experimentei mas sinceramente foi mesmo só para experimentar. Sou avessa a jogos.

Gi disse...

Experimentei há mais ou menos um ano. Não me entusiasmei por aí além , já me dá trabalho suficiente gerir a minha vida real, manter uma paralela, se bem que virtual, era demais.
Mas para te ser completamente franca foi por outro motivo. Sou competitiva por natureza mais até comgo própria estou sempre a tentar ultrapassar os meus limites. Aquilo ali ía fazer-me ir mais longe nos meus propósitos em termos de investimentos. Ía caír no mesmo erro da vida real. Sem saber para onde me virar e que quase me atirou desta para melhro. Não dá . prefiro o blogue e mesmo assim há stress quando sinto quenão tenho mãos para chegar a todo o lado.

beijinhos

Gil disse...

Ainda não experimentei, mas tenho curiosidade em o fazer. O Second Life, é uma evolução natural dos chats e messengers. É mais uma forma das pessoas socializarem umas com as outras, com a vantagem de se poderem esconder por trás, do tal avatar que fabricarem! Qualquer dia o "Matrix" passa a realidade! :)

Evelyne Furtado disse...

Estranho, não? Vidas paralelas muita gente já tem aqui fora e eu já acho complicado.
Agora virar bonequinha para me achar rica, sexi e poderosa??? Quero não.
Bom, seu texto, como sempre, capitão.
Boa semana.

O Réprobo disse...

Huuuuuum, Meu Caro Capitão-Mor, está-me a parecer que se trata de um cruzamento de Tamagoshi com Barbie, temperado por Easton Ellis e adequado ao onanismo reflexivo...
Ná, a descoberta do Outro, Ser Real de carne, osso, coração e miolos, sem preocupações de êxito, ainda tem du bon.
Abraço

blackstar disse...

Por acaso também ando tentada a experimentar! Já ouvi falar tanto sobre ele, mas ainda não fui totalmente convencida!