quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Cidade Baixa


Poucas obras do cinema brasileiro contemporâneo, com excepção de Madame Satã, de Karim Ainouz (argumentista de Cidade Baixa), valorizaram tanto o corpo. No sexo urgente ou na luta física, os personagens usam o corpo, geralmente suado, como ferramenta para resistir à vida e realimentá-la. Trata-se de um filme à flor da carne, com seu incendiário circuito do desejo, manifestado nas cenas eróticas, nenhuma explícita, mas todas cheias de convicção e entrega. Dois homens, uma mulher. Sangue, suor, lágrimas e respiração ofegante. Ambientes feios, escuros, quentes, com valores relativos, sem as regras da moral de classe média. Ao contrário das telenovelas brasileiras, apaixonei-me por este filme porque ele retrata o Brasil que eu conheço. Que me provoca fascínio e repúdio. Uma película vísceral...

7 comentários:

Evelyne Furtado disse...

Não vi Cidade Baixa, mas confio no seu julgamento, sem falar que os atores, Lázaro Ramos e Wagner Moura são excelentes. Não sinto fascínio por esse lado do meu país não, mas sei que existe, apesar de ser visível aos meus olhos.
Bjk , meu Capitão e bom feriado republicano. he,he,he

Sininho disse...

Não vi esse filme, mas agussate me o apetite vou tentar encontrar para ver. Beijinhos Capitão

av disse...

Belíssima crítica, Capitão.
Não conheço o filme, mas fiquei com curiosidade. Mas se estreou agora por aí, não devo ter grandes hipóteses.
bjs

O Réprobo disse...

Ou seja, para o Portuga apurado nos Trópicos fica erradicado o fundamento do adágio "dois é bom, três é demais", EHEHEHEHEHE.
Abraço

Mel disse...

Não conheço esse filme, gosto muito de filmes brasileiros e acho que o corpo e o sexo não precisam ficam sempre em primeiro plano...
Bom feriado, Capitão.

AnadoCastelo disse...

Gostava de te perguntar uma coisa. Porque é que os filmes brasileiros não vêm para cá? O único que me lembro de ter cá vindo foi aquele feito com a Fernanda Montenegro e que não me lembro agora do nome e que e muito conhecido internacionalmente. De resto só aparecem cá telenovelas.
Bjs

Capitão-Mor disse...

Ana do Castelo:
Talvez as telenovelas tenham provocado um efeito de saturação em relação aos produtos audiovisuais brasileiros. Por essa razão, as distribuidoras não arriscam colocar muitos filmes brasileiros nas salas de cinema. Mas creio que consegues encontrar este filme em DVD ou na internet.

Av:
Não, este filme já tem uns dois anos.

Abraços