segunda-feira, 12 de março de 2007

Brava Dança


O realizador José Francisco Pinheiro e o jornalista Jorge Pereirinha Pires uniram esforços para ver nascer este filme de memórias e de conflitos entre gerações, feito de imagens de um Portugal antigo e moderno, que recupera o trajecto de uma das mais emblemáticas bandas do rock português: os Heróis do Mar.
O documentário recorda o trajecto do grupo na década de 1980 e, através desse percurso, dá a conhecer uma época da música portuguesa ainda com a memória recente da Revolução de 1974, acabando por propor uma reflexão sobre o Portugal cultural do pós-25 de Abril.
Saídos dos Faíscas e do Corpo Diplomático, os Heróis do Mar surgiram em 1981 e eram constituídos por Pedro Ayres Magalhães, Rui Pregal da Cunha, Carlos Maria Trindade, Pedro Paulo Gonçalves e António José de Almeida. Em Agosto desse ano saía o primeiro single com os temas "Saudade" e "Brava Dança dos Heróis". Três meses depois foram actuar no Rock Rendez Vous, em Lisboa, e surpreenderam o público com a sua estética inspirada no imaginário histórico português. Rui Pregal da Cunha distribuiu rosas vermelhas a um público extasiado, enquanto os restantes membros do grupo empunhavam lanças e deflagaram Cruzes de Cristo em amplas bandeiras.
As acusações não tardaram; uns chamaram-lhes fascistas, outros estrelas pop. Dir-se-ia que estavam à frente do seu tempo; o país não estava preparado para que se apossassem da atitude New Wave, tão em voga no resto da Europa, e a subvertessem, miscineigando-o com o passado histórico nacional.
Esta era uma época particularmente fértil em termos de vida cultural e também na música isso se reflectia. Era o início do "rock português", dos GNR, dos UHF, de António Variações, só para citar três exemplos, e "das primeiras tentativas de música eléctrica, como recorda José Pinheiro.
"Brava Dança" reune entrevistas feitas aos cinco elementos dos Heróis do Mar e a dezenas de outras pessoas, entre estilistas, fotógrafos e músicos, que deixam um testemunho sobre o cenário cultural do início da década de 80. Para além das entrevistas, o filme inclui telediscos, fotografias, cartazes, recortes de imprensa, programas televisivos, imagens de arquivos particulares e estrangeiros.
Além do material recolhido da RTP, a equipa conseguiu obter dos arquivos nacionais franceses as únicas imagens que há do Heróis do Mar a tocar ao vivo, com o som e a imagem que tinham quando apareceram.
A ideia de fazer este filme teve-a Jorge Pereirinha Pires quando visitou a casa de Pedro Ayres Magalhães e aí 'tropeçou' numa enorme colecção de recortes de imprensa dos Heróis do Mar. O projectou começou a germinar e o que era para ser um livro acabou por transformar-se nesta revisitação cinematográfica.

Recordações de uma época que não volta mais. Na minha opinião, os Heróis do Mar a par da Sétima Legião e Madredeus constituem uma trilogia de ouro que teve origem na década de 80. A defesa intransigente dos valores nacionais e o orgulho de ser português, com o génio Pedro Ayres Magalhães a ditar as regras. Um filme a não perder! Quando for editada a versão em DVD, não se esqueçam aqui do vosso amigo...
Todo este imaginário nacionalista, fez-me recordar as minhas andanças pelo Condado, do qual já tenho alguma saudade.

15 comentários:

Martini Man disse...

Lembro-me disso tudo!
Vivi tudo isso... Um puto vestido de preto nouvelle vague e com poupa, algures entre o Frágil e o RRV.

Moinante disse...

Epá , fizeste-me voltar à juventude irreverente da moiniçe ... Vou tentar ver isto a todo custo ...

Uma boa semana aí nos Trópicos portuga duma figa ...

Capitão-Mor o grumete Moinante pede licença para se retirar ...

Miguel disse...

Tenho que ver esse filme ...!
Velhos tempos ...!

Uma boa semana!
Um abraço da M&M e Cª!

Teresa disse...

ainda hoje ouço temas deles, aliás, tenho no meu ipod. um abraço e boa semana também por aí!

Maríita disse...

É engraçado que fales nisto, ainda no Sábado deram na RTP1 excertos do filme e entrevistas e lembrei-me de ti, porque será...

De tudo o que foi referido fica uma noção muito interessante para mim, nascida já após o 25 de Abril, que se prende com o profundo medo de se ser conotado em Portugal com Fascista só porque a pessoa ama o seu país e os seus símbolos e quer o melhor para ele. Acho que ainda hoje não ultrapassámos o trauma do Estado Novo, ainda se sussura o nome de Salazar como se não se devêsse agarrar o passado histórico pelos cornos (esta imagem é linda!). Portugal foi um país colonialista, é verdade. Cometeram-se erros e fizeram-se bem outras coisas, tivémos um período com fascistas, também é verdade, isso não pode de nenhuma forma significar que não se tem orgulho neste país feito de gente magnífica.

Ai que saudades da minha livraria...

Belzebu disse...

Goste-se ou não dos Heróis do Mar, eles marcaram os anos 80, pela imagem irreverente, pela qualidade musical e, como também dizes, juntamente com os Sétima Legião, pelo enorme abanão que deram na música moderna! Gosto agora, como gostei na altura e não vou perder o filme!

Saudações infernais!

pinky disse...

esse deve ser um documentário maravilhoso, uma viagem no tempo vertiginosa, é pena só estar no vasco da gama, mas pronto lá vou fazer um esforço.
que saudades daquela época dos 80´s em que tudo acontecia, em que lisboa fervilhava de novidades e inovações...enfim pode ser que isso volte a acontecer!

Mel disse...

É sempre bom "rever" o passado quando as lembranças são boas, claro!
:)

B. disse...

Adorooooooooooo herois do mar!
Cheguei a ir a alguns concertos deles.. espectacular!!

Grandes musicos, sobretudo o pedro ayres magalhães.

Tenho de ir ver o filme

parabens pelo post!!!!

beijo grande

Sininho disse...

Lembro-me muito bem dessa época, e fizeste me reviver essa época. Que bom, quando sair em dvd vou comprar com toda a certeza.

TONY, Duque do Mucifal disse...

é um documentário á tua medida! é uma pena que não possas estar cá. Iamos os 2 ou os 3...ver o documentário e passar horas a falar sobre este ou aquele acontecimentos.
é hist´roia meu amigo...cultura nacional no seu expoente máximo.
Quero ver se o vou ver!

Moinante disse...

Viva a moiniçe ... amanhã cá estarei ...

E já agora quando é que vens a Portugal ,para nós beber-mos um " copo " 2 ou 3 ......... 4,5 ...

Anónimo disse...

Os Herois do MAr foram e serão sempre verdadeiros herios: corajosos, inovadores, criaram um grande conceito, grande musica e quando terminaram surgiram coisas como Madredeus e 7ª Legião.


Cumprimemtos do hemisfério norte!

radiomafia

Rubina disse...

Heróis do Mar, que saudades :)

Boas lembranças Capitão. Beijo

Klatuu o embuçado disse...

É interessante é como à época lhes chamaram tudo! E hoje, se compararmos com a trampa que por aí anda a gritar «Portugal» para o querer vender à Internacional Nazi... até é ridículo!
É por isso que sempre preferi chamar-lhes patriotas! Aliás, eu sei bem o que foram ideologicamente: monárquicos trans-nacionalistas.