quarta-feira, 14 de março de 2007

Férias em Natal - Episódio 2


Aeroporto da Portela, Domingo - 01 Dezembro de 2008, 12:50h

O Ferreira, Lemos, Reis e Fonseca estavam reunidos na mesa de um café no átrio do aeroporto, aguardando a chamada para o voo YSS800 com destino a Natal, de partida marcada para às 13.40h. Os meses tinham decorrido de forma tranquila e, a viagem para o Brasil tornara-se o tema principal dos habituais jantares do grupo. Luís era o elemento que demonstrava menos entusiasmo em relação a esta incursão por terras de Vera Cruz. Precisamente por este motivo, o Ferreira evidenciava alguma inquietação no início daquela tarde. Ele já tinha tomado três bicas de enfiada, fumava sem parar e preparava-se para descarregar a sua irritação em alguém. Fixou o olhar no Lemos e atirou:
- Já viste bem a tua figura ridícula? Que raio de vestimenta é essa?
- Qual é o problema? Não vamos para o Brasil? - defendeu-se o Lemos meio espantado.
- Tu pensas que o avião aterra directamente na praia? Não sei se já reparaste, mas todas as pessoas que passam olham para ti!
O Lemos deve-se ter esquecido que fazia frio em Lisboa e apostara numa indumentária tropical. Vestia uns calções caqui, uma camisa amarela com flores estampadas, um boné horrível e não tirava os óculos de sol.
- Realmente era só o que me faltava! Aturar um parolo e ter de esperar pelo Luís. Ningúém disse que ele tinha de estar aqui com duas horas de antecedência? - proferiu o Ferreira exasperado.
- Hum...muito estranho. O gajo é sempre pontual e farta-se de reclamar com os nossos atrasos nos jantares - acrescentou o Fonseca.
- Olhem fiquem pra aí a discutir que eu vou mas é fazer o meu check-in! Está na hora pessoal...se o Luís não aparecer, azar o dele! - atalhou o Reis num tom autoritário.
- Tens razão! Vamos nessa - disse o Ferreira, já empurrando o seu carrinho de bagagem - E pode ser que aquele parvalhão ainda apareça...

Uns minutos depois, já estavam os quatro na fila do check-in do balcão 89. Os passageiros eram despachados a bom ritmo e nem sinais de vida do Luís. O Fonseca já suava em bica e não cessava de olhar para trás para ver se via o seu comparsa desaparecido.
- E agora pá? O Luís, orienta-se sempre bem com as gajas com as suas falinhas mansas e dá-nos sempre uma ajudinha. Vai ser complicado...vou mas é tentar ligar mais uma vez para ele - o desalento de Fonseca era notório.
- Nã, nem adianta! Não viste que eu já tentei umas cinco ou seis vezes? O telemóvel está desligado. E não tenhas medo. Eu vou sempre ao Brasil e nunca precisei da ajuda dele para facturar. Ele tem é muita garganta! - disse Ferreira exaltado.
- E o méne vai perder o dinheiro da viagem? - interrogou o Fonseca sempre preocupado com os detalhes financeiros.
- Problema dele. Quem o manda ser otário? - resmungou o Reis.

Já todos tinham cumprido as formalidades de check-in e dirigiam-se lentamente para o portão de embarque, quando escutam um grito vindo de trás. Era o Luís que corria de forma desenfreada pelo átrio em direcção ao balcão que já estava prestes a encerrar. Fonseca não disfarçava a sua alegria e deslizou rapidamente para junto do amigo, que estendia o passaporte e o bilhete de avião para a funcionária de serviço.
- Então? O que te aconteceu? A malta já pensava que te tinhas baldado!
- Nem te conto! - Luís tentava recuperar o fôlego - Tive uma discussão brutal com a minha mulher antes de sair. Ela recusou-se a vir-me deixar no aeroporto e tive que chamar um taxi. A meio do caminho apercebi-me que tinha deixado o passaporte em casa, voltei para trás e quase que levava com o rolo da massa. Resumindo, tive uma discussão familiar com direito a encore.
- Sejas bem aparecido! Já te estava a rogar pragas meu sacana - interrompeu o Ferreira.
- Sabes como é...problemas conjugais pré-embarque! - disse Luís com um sorriso.
- Luís, já vens com a câmera de filmar na mão? - perguntou o Lemos no gozo.
- Porra! Que merda de roupa é essa? - Luís olhava estupefacto para o visual do amigo.
- Foda-se! Hoje combinaram embirrar todos comigo? E tu que já vens de câmera de filmar na mão?
- Tenho de ver como isto funciona. Os meus sogros ofereceram-ma no meu aniversário, mas ainda não mexi muito nela. Estou interessado em realizar uns vídeos amadores por lá - respondeu o Luís com um brilho malicioso no olhar.

Na sala de embarque, o ambiente do grupo transformara-se completamente. O azedume foi substituído por um ambiente de euforia. Falavam entre si aos berros, riam imenso e trocavam piadas entre si. Pareciam um grupo de adolescentes prestes a embarcar para umas férias fora da alçada dos pais e, até o Luís parecia ter abandonado as suas reservas iniciais em relação à viagem.
No entanto, as peripécias teriam início antes mesmo de descolarem de Lisboa. O Reis fora o único que trouxera bagagem de mão. Numa tentativa atabalhoada de colocar a sua mochila na bagageira por cima do seu assento, o fecho abre-se repentinamente e chovem dezenas de preservativos por cima de uma loira que estava sentada na poltrona da frente. Uma das hospedeiras acorre ao local, o Reis fica vermelho até à raiz dos cabelos e olha para o rosto da loira que se sacudia vigorosamente. Quando dá de caras com ela, abre a boca de espanto.
- Não acredito! Mas você...você é a Cinha Jardim! Peço-lhe mil desculpas. Sabe...isto são amostras de uns produtos que represento no Brasil. Não é nada daquilo que está a pensar...
- Mas você está parvo? Quem você pensa que é, seu suburbano? - a grande dama do jet-set de Portugal e arredores não continha a sua indignação.
- D.Cinha, mais uma vez peço-lhe mil desculpas. Mas é que esta bagageira está cheia de mais e aconteceu este azar.
- Cale-se imediatamente! Como ousa falar assim para mim? Apanhe lá essas coisas e sente-se bem longe de mim, tá bem?

Cinha fazia-se acompanhar pelo seu enésimo namorado para mais uma viagem ao Brasil. Desta feita, era o Pedro Miguel Ramos, que entretanto despachara a Fernanda Serrano e deslocava-se a Natal para a inauguração do seu primeiro Amo.te além fronteiras. Juntamente com o casal, viajavam alguns fotógrafos, visto que o par romântico fizera as delícias da imprensa cor-de-rosa, durante os últimos meses. O Ferreira, ao se aperceber da confusão com os colunáveis, tratou de se armar em saliente mais uma vez. Era a sua faceta de pseudo-tio. O gajo tinha a mania que tinha sangue azul, a sua nobreza imaginária subia-lhe à cabeça nestes momentos e decide meter-se na discussão.
- Olá tia! Tá boa? - atirou com o seu melhor sorriso.
- Mas quem é você? Só pode ser amigo deste tarado, não é? Por acaso conheço-o de algum lado? - pergunta ela, plena de arrogância.
- Acho que sim...lembra-se da festa da SIC, na Kapital, o ano passado? Foi nessa noite que eu a co...hum...quero dizer...que fomos apresentados,recorda-se?
Subitamente, a ilustre passageira pigarreia nervosamente, ruboriza ligeiramente e olha para o PMR que a observava com um olhar incrédulo. Ganha alguns segundos e recompõe-se, encarando o Ferreira de modo embaraçado.
- Tenho uma vaga ideia...
- Pois...calculei que sim. Olhe, desculpe aqui o meu amigo. Ele acaba de sair de um processo de divórcio, anda tenso e decidimos traze-lo por uns dias para o Brasil para relaxar um pouco. Acho que você entende.
- Oh, sim! Realmente não vale a pena stressar por tão pouco.
- Ainda bem. Vamo-nos então sentar e aproveito para lhes desejar uma óptima viagem - disse Ferreira de modo diplomático para o casal.
O Reis recolhe o seu material rapidamente, arruma a mochila debaixo do assento e sentam-se todos ordeiramente. Era por demais evidente, que a Cinha estava desejosa que aqueles gajos se pirassem dali para fora bem rápido. Surgiam-lhe na mente imagens difusas de uma noite em que bebera em demasia. Minutos depois, já deixavam os cèus de Portugal para trás.

Voo YSS800, Domingo - 01 Dezembro 2008, 17:10h
O trajecto de sete horas decorreu de forma bastante animada. O grupo estava decidido a aproveitar a viagem nos seus ínfimos detalhes e, as hospedeiras não tinham mãos a medir com os constantes pedidos de bebidas para a ala central do avião e já demonstravam algum enfado com a algazarra e os constantes assédios do Luísna direcção delas. A própria Cinha não se conteve, aderiu ao entusiasmo e barafunda do povão. Tiraram diversas fotografias juntos, trocaram contactos e combinaram encontrar-se durante aquela semana para uma farra.
- Afinal de contas, vocês são uns queridos! Faço questão de vos convidar para a inauguração do novo bar do meu namorado na próxima 4ªfeira. Não é fofo? - perguntou Cinha na direcção de PMR que cochilava.
- Hã? O quê? - disse meio estremunhado.
- Estou a convidar estes amigos para a inauguração do Amo.te Natal. Eles são animadíssimos! Vai ser o máximo, não acha?
- Ah,sim...claro que estão todos convidados - responde hesitante.
- Perfeito. Podem contar com a nossa presença na festa. A nosa vida é eventos sociais, tá a ver? - disse prontamente o Ferreira - Ligaremos durante a semana.
- Então vá! Aproveitem as férias e portem-se mal, seus marotos! - despediu-se Cinha.

Aterraram às 18.40h no Aeroporto Augusto Severo em Natal, sob fortes aplausos e urros dos passageiros. No meio do entusiasmo geral, o Ferreira e o Fonseca, ainda ensaiaram uma "moshada", antes mesmo de ser dado sinal para desapertar os cintos. Após as formalidades de desembarque e recolha das bagagens, metem-se dentro de dois taxis e rumam em direcção ao apartamento alugado junto à praia. Ao contrário do clima em Lisboa, o princípio de noite estava quente e abafado e tudo parecia indicar que aquela semana seria inesquecível.

Episódio 3: Quarta-feira, pois então! E fiquem antentos às réplicas femininas da Tati e da Maríita que serão publicadas nos próximos dias.

29 comentários:

vinte e dois disse...

Bem, está o máximo! ;) Aquece a ideia de um dia desses lançar um livro.. quem sabe! ;)

freemind disse...

Muito bom, excelente continuação...

Breaking the Waves disse...

Muito bom, hahahahahah

Acho que não gostaria nada, nada mesmo, de viajar perto desse grupo... ;)

Aguardando a réplica feminina!

sem-comentarios disse...

Tu tens uma imaginação incrivel...
mas, esses teus personagens só querem "rabóia".
Deixam até as mulheres em casa e vão de férias, não há direito.
Agora a Cinha, foi bastante simpática para eles...eheheeh..
Estarei á espera do próximo episódio.
Ah e já agora, manda a blogserie para a Globo, quem sabe... ;)

Bjs**

sem-comentarios disse...

Esqueci me de comentar...que a musica que aqui tens, é uma das minhas preferidas dos The Cure. :)

Cris disse...

Entao Moler que nao é mae é incompleta?? hehe Deve ser por isso que sinto tá faltando alguma coisa!!!!! :=)

LoiS disse...

Hum, essa Cinha mudou demasiado depressa a sua opinião.

Em relação ao PMR tem cuidado, cheira-me que o Luís o conhece muito bem, talvez bem demais, daí o silêncio dele em relação aos devaneios da sua recente conquista !

O Reis que se acalme, parece-me que o homem quer andar "encamisado" constantemente as férias todas.

lol

belinha disse...

Ó Capitão, eu bem que tinah ideia de escrever.Mas não calhou.Está estupendo!Estou com uma fringite danada, havias de me ouvir a falar...

Tati disse...

Obrigada pelo glossário, hospedeira já conhecia por que já fui uma, mas as outras vieram a calhar!
Adorei, é bem típico de um monte de homens casados e divorciados prontos para a farra agirem como adolescentes no avião, já vi taaaanto disso.....
Prepare-se para sexta feira! Vou preparar uma viagem inesquecível para as gajas também!!!

Rubina disse...

Como se alguma vez o Pedro Miguel Ramos fosse trocar a Fernanda pela Cinha...lol...Tás a ver um frigorífico???Não tem nada a ver!!! Essa dos gajos irem independentemente das mulheres concordarem ou não...bem!Iam, mas não voltavam...risos

Aragana disse...

e eu a pensar que fazia histórias surrealistas!!!

Tá muito bom!

poderiais aprofundar o tema "homens a caminho do Brasil".. que vai muito ao encontro do meu post de hoje, sabes?

Esse luis comigo, quando voltasse tinha a fechadura trocada!

pinky disse...

muito divertido, vouu ficar á espera de novos episódios ;) coool! cumprimentos á tia heheheheh

TONY, Duque do Mucifal disse...

genial a tua jogada em colocares figuras publicas na novela. E a Cinha! FIXEEEEEEEE!
Tá bem fixe este episodio. Promote.
Olha que eu estava a visualizar a indumentária do Lemos e só me ria.
LOOOOOOOOOOOOL!

Claudinha disse...

Olá, desculpe a minha ausência, tenho andado na correria da vida...
Fico lendo sobre viagens e aeroportos, me dá uma saudade... O meu Szafir está me devendo uma 18ª lua de mel e em natal,rsrs. Um beijão!

Gi disse...

1 - O termo actual para hospedeira é já há uns anitos assistente de bordo (tenho cá uma em casa)
2 - Muda o nome da senhora de molde a que toda a gente saiba quem ela é mas que não seja na realidade, isto é ficção mas só para quem sabe...há quem pegue por bem menos
3 - tens uma imaginação prodigiosa e sabes causar suspense
4 - Fico à espera do próximo capítulo
5 - Espero que não leves a mal as notas

Beijinho e noite feliz

aol disse...

Pedro Ferreira no seu melhor!!!!!
Cada vez gosto mais de vir aqui.
Beijo

mystic disse...

Eheheh Excelente!
Mal posso esperar para ler as próximas aventuras desses cromos, será que a Tia Cinha ainda troca o PMR por um deles????

bjs

Paula disse...

"Afinal de contas, vocês são uns queridos!"... pois, deve ser como aquela expressão no fundo, mas mesmo lá no fundo... É que isso de deixar a mulher em terra e ir de férias com os amigos (tendo em conta que não é consensual) não é muito abonatório para a personagem! ;)

Mas temos de reconhecer que divertidos são! Essa cena do Reis e da mochila era suficente para me por a rir as 7 horas de viagem de cada vez que a recordasse!

Tuche disse...

Mas que realizador!!!!!!!

Qualquer dia vemos num cinema mais próximo hehe

Beijosssssssssssssssss

Sininho disse...

Mas k bela saída de Portugal, o k eu já me ri à custa da tua história, já pensaste em escrever um livro, tens um poder de escrita fantástico. E adorava ter feito parte desse grupo, gosto de me divertir e rir, e parece que eles são bem divertidos

Tati disse...

as meninas já partiram.........
só fiquei em falta com a música... o radio blog está fora e não consigo postar musica da song2 play, mas paciência...
espero que goste!

Maríita disse...

O Ferreira só pode andar desesperado, até a Cinha Jardim marcha, que falta de chá!

Quanto ao Pedro Miguel Ramos, acho que nem cego deixaria a Fernanda Serrano pela "come relva".

Adoro o Reis, é tão castiço, como se no Brasil não houvesse distribuição de preservativos e até um dos maiores fabricantes é português.

O Lemos é o típico português que vai de férias pela primeira vez em muito tempo e que se esquece que até chegar ao destino ainda está sob o escrutinio dos restantes congéneres.

Mas toda a gente sabe que os meus amores vão para o Luís, que pelo que li na Tati só se atrasou porque ainda pediu desculpas à mulher pelo seu feitio complicado por causa do Adriano...

Estou a adorar esta blogsérie.

Beijos

Sofia disse...

Muito, muito, muito bom.
Serão quantos capítulos?? Estou super entusiasmada com a blogosérie!

Abraços,

AnadoCastelo disse...

Que imaginação. Adorei, amei!!!
Bjs

Snowgaze disse...

Fiquei fä do teu blog. :)

mau feitio disse...

Muito bom mesmo. tens muita criatividade. Parabans. Essa da Cinha e do Pedro Miguel Ramos.

Magaleando disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
HOMEM! LANCE LOGO SEU LIVRO!
caí de rir com esta agora!
de fato vejo tantos chegarem à Natal com vestimenta totalmente exdrúxula. E quantos não vejo também sair daqui para locais supostamente frios, com sua circunferência triplicada com o exagero de roupas que suportam por pelo menos 2h antes de embarcar para o tal destino congelante. Relatos mostram o quanto são precipitados estes seres, que quando chegam se vêem obrigados a tirar toda a "fantasia"...
continue sua produção! e não se intimide em escrever um livro, homem!

Magaleando disse...

ah! ía me esquecendo...qto ao grupo feminino...sou mulher...mas não nego a existência destes espécimes kkkkkkkkkkk
eu com certeza também não suportaria meia hora neste meio
kkkkkkkkkkkkk

marta disse...

Com a Cinha Jardim e tudo?
Uau!!

Beijinhos