segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Desportos pouco democráticos


Há dias atrás dei comigo a pensar em desportos cuja prática está vendada a um pequeno lote de previligiados. Pensei primeiramente em alguns deportos náuticos, em actividades radicais e no automobilismo. No entanto, após ter assistido a uma reportagem da Rede Record, descobri que o verdadeiro desporto das elites é o Polo. Uma modalidade que nasceu nos palácios reais e, cujo perfil dos praticantes pouco evoluiu ao longo dos tempos.

O Polo chegou ao Brasil na década de 30, trazido por empresários entusiastas do desporto na Europa. Com a revolução de 32 houve uma queda no número de participantes e ele só voltou desenvolver-se bem depois dos anos 40, alcançando o auge na década de 70, com as facilidades concedidas pelo governo brasileiro que facilitou a importação de cavalos adequados e estimulou o intercâmbio com criadores e jogadores argentinos, até hoje os reis do desporto na América Latina. Atualmente o Polo tem aproximadamente 500 participantes no Brasil, sendo 50% deles no Estado de São Paulo.
Um desporto que se destaca pela virilidade, elegância e emoção. Porém, a fama desta modalidade, deve-se em grande parte ao universo de glamour que transporta atrás de si. São célebres as festas realizadas em restritos clubes hípicos que congregam diversas personalidades do jet-set internacional. Enfim, um mundo que que estará sempre distante do mais comum dos mortais...

7 comentários:

marta disse...

O Brazil tem 500 praticantes, Portugal não tem nenhum.

So British!

foryou disse...

"Um desporto que se destaca pela virilidade, elegância e emoção."
Se calhar sim, mas mesmo assim não consigo gostar. Além disso andar a cavalo é bom mas faz doer o rabo para caramba :(

Mad disse...

Fui ao teu texto de Março, como sugeriste. Excelente, não há outra palavra. Admiro o teu poder de síntese e a forma como, educada mas firmemente, conseguiste dizer tudo aquilo que eu penso.

Claro que há coisas a criticar em Portugal! Mas não são as MESMAS, por mais que os brasileiros queiram acreditar nisso.

Bjs. Vou levar o teu post inteirinho para o meu blog.

O Réprobo disse...

Mas, Caro Capitão-Mor, a camiseta de dois botões que foi ao jogo buscar o nome dá-nos a ilusão...
Abraço

Sininho disse...

Provávelmente é um belo desporto mas eu pura ignorante nunca vi ao vivo e a cores, por isso continuo a gostar mais dos polos de vestir, que comentário mais parvo, desculpa, abraços

AnadoCastelo disse...

Pois.... Desporto para ricos.
Bjs

Mad disse...

Esqueci-me de comentar o teu texto.

Concordo absolutamente que o polo seja um desporto de elites, mas apenas porque ter cavalos adequados é que é para elites. Um pouco como o golf era, há uns anos, antes de os clubes se abrirem ao comm mortal. Claro que uma coisa é alugar tacos e outra é alugar um animal que custa uma fortuna a alguém que não sabe "mexer" nele!

Marta, há alguns praticantes de polo em Portugal, não direi 500, mas há vários, principalmente no Ribatejo, terra de excelentes cavalos lusitanos (óptimos para polo, segundo parece - a prova é que se vendem muitos lusitanos para Inglaterra exactamente para jogar polo). Em Portugal, ainda é um desporto que se joga em privado.