segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Peguem na Mochila


Ao longo do tempo, tenho desenvolvido o meu gosto em fazer viagens sózinho. Desse modo, liberto-me das rotinas de horários e itenerários pré-estabelecidos, companhias aborrecidas e permite-me o contacto com pessoas das mais diversas origens.
A partir da adolescência, tornei-me adepto das viagens de mochila às costas e das estadias em pousadas de juventude. Aprecio o clima informal e a convivência que se estabelece entre os hóspedes difíceis de concretizar em unidades hoteleiras convencionais. Aqui no Brasil, já tive oportunidade de conhecer alguns destes albergues que me proporcionaram dias muito divertidos. Com uma organização surpreendente, a rede de pousadas de juventude brasileiras, está presente na grande maioria dos pontos turísticos, constituíndo por si só um interessante melting pot, principalmente nesta época do ano. Podem espreitar aqui, o ambiente que se vive nestes estabelecimentos por estes dias. Locais pouco aconselháveis para os mais pacatos...

5 comentários:

TONY, Duque do Mucifal disse...

amigo, voltei com omeu blog. vamos ver se depois tenho vontade em continuar com ele.
teras de volta mais comentarios meus. com ou sem mochila à costas...lol!

Evelyne Furtado disse...

Deve ser bom, mas sou muito comodista ou "pacata". Bacana seu texto, Capitão!

Paula Crespo disse...

Partir à aventura é fascinante! Gosto muito - se bem que não me desagrade ter alguns pontos de referência marcados, assim uma espécie de bóias, ou âncoras, hehehe. Mas o que eu gosto mesmo é viajar, com mais ou menos aventura, mais ou menos planeamento. Conjugo muito bem o verbo "ir"!... Principalmente para destinos mais exóticos ou diferentes. Se navegar é preciso, aprender é imprescindível!

O Réprobo disse...

E a arquitectura fotografada é duma dessas pousadas?
Assim temos o Nosso Amigo, como os viandantes medievais, pedindo guarida nas muralhas dos castelos.
Peço vénia para linkar o blogue de Sua graça o Duque do M.
Abraços

AnadoCastelo disse...

Ir à aventura de vez em quando também sabe bem. Eu também ia se pudesse.
Bjs