terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Vibromania


No domingo passado, fui surpreendido por este trecho da coluna da irreverente jornalista Eliana Lima, publicada na Tribuna do Norte.

Solução
Diante da falta de homens – com H, diga-se - na cidade, cresceram ainda mais as vendas de apetrechos para, digamos assim, carreira-solo, em sex-shop.
Não só em Natal, mas de outras cidades - algumas mulherres carentes aproveitam viagens para trazer na bagagem mimos que saciam desejos...
Viiixeee...

Dificuldade
A situação está tanta que até hoje não se descobriu quem afanou os vibradrores da Secretaria de Saúde, que serviam para demonstração do uso correto da camisinha, nas atividades do programa DST (doenças sexualmente transmissíveis) Aids.

Prazer
E dia desses, a Abelhinha estava na fila para passar sua bagagem de mão no raio-x do aeroporto.
Ficou curiosa com a cara de espanto do funcionário ao abrir a bagagem de uma conhecida da sociedade, e lançou seus olhos antes do fechamento rápido da bagagem, e entendeu o tamanho do susto: um vibrador bem-dotado de modelo original...
A dona? Vermelha de vergonha...
Hum-rum...


Depois de retomar o fôlego, decidi analisar com maior profundidade este fenómeno de carência sexual que está a deixar as mulheres potiguares à beira de um ataque de nervos.
Antes de mais, convém salientar que, em dez anos, a diferença entre o número de mulheres e homens cresceu para 4,3 milhões no Brasil (57% em relação há dez anos atrás), segundo os últimos dados do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Deixando de parte as estatísticas, existem diversas hipóteses que será conveniente analisar. Logo à partida, estas informações parecem ser pouco abonatórias para a ala masculina da cidade. Das duas uma. Ou existe um número excessivo de mulheres ou os homens não estão a dar conta do recado. Assim sendo, nos próximos tempos, temo que haja um aumento do número de lésbicas em Natal, ou então, o comércio de artigos eróticos terá um enorme crescimento. Sinceramente, prefiro a segunda hipótese e tudo indica que encontrei um excelente nicho de mercado que poderei explorar no futuro. Não se espantem então que, daqui a pouco tempo, eu vos comunique a minha mudança de ramo de actividade.
Porém, a minha vivência social por aqui faz-me acreditar que esta síndrome talvez não seja provocada pela falta de homens ou fraco desempenho sexual dos mesmos. Na realidade, o que uma parcela destas mulheres lamenta profundamente é que o seu princípe encantado não apareça montado num carro importado, não possua moradia em bairro nobre e não tenha um rendimento acima da média. Esta tríade de elementos ainda é um poderoso afrodisíaco por estas paragens em detrimento da inteligência, beleza, bons modos ou elegância que elas tanto gostam de enumerar. Esse parece-me ser o grande problema que está a motivar tamanha carência, porque homens voluntariosos e mínimamente decentes não deverão faltar.
Como se costuma dizer: "Para o Inferno só de carruagem". Enquanto isso, as sex-shops vão facturando na Cidade do Sol...

8 comentários:

Cristina disse...

Ou talvez a "inteligência, beleza, bons modos ou elegância" que referiste no teu texto comece a escassear cada vez mais... ;)

Beijo beijo

Evelyne Furtado disse...

Tem cada coisa nas colunas dos jornais ultimamente! Prazer também é matéria jornalística? Só tem uma coisa capitão, concordo com Cristina "inteligência, beleza, bons modos e elegância" estão em falta no mercado.
Vou só lembrar que ainda há mulheres sensíveis às qualidades citadas por vc e homens que possuem essas qualidades, aqui na cidade do sol.
Abraço.
ABALOU!

Mariana Araújo disse...

Eveline, devo dizer que prazer É SIM FATO JORNALÍSTICO. Oura, é interesse público e quebra tabus.
Bom, concordo com Cristina, mas devo dizer que a beleza é muito subjetiva, e até critico a obsessão em busca da beleza de algumas mulheres de nossa cidade.
Devo ainda discordar de você, meu caro Portuga. Não que eu vá defender a mulherada que anda por aí, existem muitas materialistas, sim. Mas de fato existem MUITO MAIS MULHERES do que homens na cidade. E dinheiro não é algo tão importante. só que na medida em que vc tenta se firmar com alguém, você obviamente quer ter condições favoráveis para a vida conjunta. Então mulheres procuram homens que no mínimo estejam no seu nível social...eu acho isso normal...soa meio preconceituoso, e em alguns fatos é...mas em outros é compreensível (homem ainda não aceita muito bem ser bancado por uma mulher)

no mais...ainda houve um fato não abordado nessa matéria...algumas mulheres com companheiros tb são usuárias desses "brinquedos"...embora Natal ainda se4ja muito provinciana as mulheres estão perdendo um pouco a timidez e estão apostando mais nas relações, esquecendo tabus...

Fechando o assunto, pode haver homens sozinhos pelo mero fato de não saber se manter em um relacionamento. Não é todo mundo que perdoa uma traição. Não é todo mundo que segura os impulsos...complicado

Teresa Durães disse...

eis um facto que desconhecia, a procura de vibradores e coisas tais

PSB disse...

Capitão
Este é, sem dúvida, um tema vibrante... no mínimo...
Não haverá aí também alguma responsabilidade no provável aumento de gays no mercado? Se houvesse alguma estatística sobre este factor, seria curioso tê-la também em conta, para tentarmos perceber, para além dos argumentos já ventilados, porque será que há mais mulheres insatisfeitas a precisarem de aditivos externos. Por um lado, deixa-nos, aos hetero, mais abundância... mas... acho uma solução pobre, pouco criativa, nada sensual... um desperdício!
Um abraço

Dhiego disse...

Engraçado... Parece absurdo, mas o número de homens em natal é inversamente proporcional ao nível de glicose anal das mulheres daqui.

Mad disse...

Capitão, não estavas a falar a sério quando puseste a hipótese de o número de lésbicas aumentar em Natal por fata de homens disponíveis, pois não? Espero que não. Espero que tenha sido piada.

Resende disse...

Tentou ser original!Como as outras, ou pra chamar a atenção, ou para mostrar suas verdadeira opção sexual. Rs.. Para que homem, se for a segunda opção.. rs.. mas isso não vem ao caso. Não existe falta de homem. Existe, frustação de provavelmente uma patricinha que não encontrou um escravo em todos os sentidos para satisfazer seus mimos... Existem muitos casos desse tipo. Mas gostei do texto. Chamou a atenção... não era essa a intenção! rs...